Matusalém & Castelan
OAB/SC sob o nº 1076/2005
Cuidando do seu direito
Especializado em direito previdenciário
Aposentadoria especial: o que mudou?
noticia 1

Aposentadoria especial: o que mudou?

 

Matusalém dos Santos·

 A reforma da Previdência Social está aprovada e deve entrar em vigor ainda no mês de novembro de 2019 com a promulgação. Praticamente todos os benefícios sofreram alterações que restringem o direito, mas, certamente, a aposentadoria especial está entre os que mais foram prejudicados.

A aposentadoria especial é uma espécie de benefício com tempo de contribuição reduzido pelo fato de o trabalhador desempenhar suas funções com exposição a agentes nocivos à sua saúde ou integridade física. Dependendo da gravidade o tempo mínimo de contribuição para se aposentar pode ser de 15, 20 ou 25 anos e o valor do benefício seria de 100% da média contributiva do segurado.

A reforma da previdência criou duas situações: uma para quem começar a trabalhar e contribuir depois da lei entrar em vigor e outra para quem já era segurado antes da reforma, além de mudar o cálculo do valor da aposentadoria.

Para os novos segurados a regra da aposentadoria especial passou a exigir idade mínima além do tempo de contribuição na atividade especial, sendo: 55 anos de idade para a atividade enquadrada nos 15 anos, 58 anos de idade para a atividade enquadrada nos 20 anos e 60 anos de idade para a atividade enquadrada nos 25 anos.

Para as pessoas que já estão contribuindo a regra de transição da aposentadoria especial não exige idade mínima, mas sim uma pontuação representada pela soma da idade e do tempo especial, sendo: 66 pontos na especial de 15 anos; 76 pontos na especial de 20 anos e 86 pontos na especial de 25 anos.

A questão do cálculo do valor da aposentadoria teve duas alterações: não terá o descarte dos 20% menores salários-de-contribuição para apurar a média contributiva e o valor da aposentadoria será de 60% desta média mais 2% para cada ano de contribuição que exceder 15 anos no caso da especial de 15 anos e a partir do 20 anos nas especiais de 20 e 25 anos.

Por fim e resumidamente a outra grande questão é quanto a periculosidade que foi tirada da reforma para ser tratada por meio de lei. E a matéria já está em debate no Senado através do Projeto de Lei Complementar nº 245/2019, o qual dependerá de toda tramitação e aprovação ainda.

O projeto contempla quatro situações que ficaram fora da reforma:

 I - atividade em que haja exposição a campos eletromagnéticos de baixa frequência que tenham como fonte a energia elétrica e que realizem serviços dentro de um raio de 100 metros da geração de energia elétrica, linhas de transmissão, estações distribuidoras e transformadoras de energia elétrica, ou subestações, quando o trabalho for interno;

II -  vigilância ostensiva e transporte de valores, ainda que sem o uso de arma de fogo, bem como proteção de bens, serviços, logradouros públicos municipais e instalações de município;

III – contato direto com energia elétrica de alta tensão;

IV – contato direto com explosivos ou armamento.

  O projeto não usa a expressão periculosidade e a princípio não contempla o trabalho com inflamáveis.

PERICULOSIDADE: A LUTA CONTINUA.

FICOU COM DÚVIDAS?
ENTRE EM CONTATO
PELO WHATSAPP
ENVIE SUA DÚVIDA
via whatsapp

Nós utilizamos cookies para lhe proporcionar uma boa experiência ao navegar em nosso site, ou ao utilizar nossos serviços, e também para melhorá-los, mas você pode configurar seu navegador ou dispositivo para não aceitá-los. Para saber mais sobre o uso de cookies e sobre o tratamento de seus dados pessoais, leia a nossa Política de Privacidade e Proteção de Dados.